Substratos

Início Contato

Casca de Arroz
Casca de Tungue

 

1.Os substratos para plantas

Entende-se como “substrato para plantas” o meio em que se desenvolvem as raízes das plantas cultivadas fora do solo in situ (Kämpf, 2000a). Considera-se, como sua função primordial, prover suporte às plantas nele cultivadas (Fermino, 1996; Kämpf, 2000a e Röber 2000) podendo ainda regular a disponibilidade de nutrientes (Kämpf, 2000a) e de água (Fonteno, 1996).

O solo mineral foi o primeiro material utilizado no cultivo em recipientes. Atualmente, a maior parte dos substratos é uma combinação de dois ou mais componentes, realizada para alcançar propriedades químicas e físicas adequadas às necessidades específicas de cada cultivo (Fonteno et al., 1981).

A turfa, solo orgânico proveniente de áreas inundadas, é o material mais utilizado para compor substratos nos Estados Unidos, Canadá (Fonteno, 1996), e na maior parte dos países da União Européia. Segundo Carlile (1999), o fato de as turfeiras serem habitat natural de espécies de plantas carnívoras (Drosera spp; Utricularia spp.) e certos invertebrados (por exemplo Curimposis nigrita; Dolomedes fimbriatus), além de seu papel como “arquivo” arqueológico e como reservatório de carbono na forma orgânica, tem sido argumento de grupos de defesa ambiental da Grã-Bretanha, Alemanha e Itália em campanhas contra a sua exploração. Segundo esse autor, as pressões ambientalistas nesses três países têm levado a uma substituição da turfa por compostos orgânicos, mas somente nos substratos destinados ao mercado amador. A substituição da turfa por cascas de árvores, pedra-pome (pumice), fibra de coco (coir), argilas expandidas (vermiculita, cinasita), perlita e lã-de-rocha por parte dos produtores profissionais na última década deve-se, de acordo com Carlile (1999), somente à performance superior desses materiais.

Outras matérias-primas também são consagradas no uso em misturas para compor substratos para plantas, como a casca de arroz (in natura, carbonizada ou queimada), poliestireno expandido (isopor), espuma fenólica, areia, sub-produtos da madeira como serragem e maravalha, fibra de madeira, compostos de lixo domiciliar urbano e compostos de restos de poda, solo mineral, xaxim e vermicomposto (Kämpf, 2000a; Schie, 1999; Puchalski, 1999; Burger et al., 1997; Fonteno, 1996; Verdonck, 1984).

A utilização de resíduos da agroindústria disponíveis regionalmente como componente para substratos pode propiciar a redução de custos, assim como auxiliar na minimização da poluição decorrente do acúmulo desses materiais no meio ambiente (Fermino, 1996).

Dentro dessa linha de pensamento, trabalhos como o de Backes (1988) e Grolli (1991), com composto de lixo urbano, Fermino (1996), com cascas de abacaxi, fibras, cascas e sementes de algodão (resíduos da indústria textil), aguapé, bagaço de cana, maravalha e serragem de Pinus spp. in natura e resíduos de papel (tipo “confete”) e também como o de Gauland (1997), estudando casca de arroz carbonizada e queimada como condicionadores em substratos de turfa, buscaram explorar resíduos disponíveis na região sul do Brasil para o fim de compor substratos agrícolas.

1.1. Características físicas

1.1.1. O substrato como meio poroso.

As propriedades físicas de um substrato estão centradas em dois aspectos: (1) as propriedades das partículas que compõem a fração sólida, em especial sua forma e tamanho, sua superfície específica e sua característica de interação com a água (molhabilidade) e (2) a geometria do espaço poroso formado entre essas partículas, que é dependente das propriedades das partículas e da forma de manuseio do material, em especial da densidade de empacotamento do substrato no recipiente, que determina a porosidade total e o tamanho dos poros.

A água é retida na superfície das partículas e entre as partículas. A retenção da água entre as partículas depende da geometria do espaço poroso, ou seja, da forma e tamanho dos poros. Segundo Nobel (1991) na matriz do substrato a água que é retida entre as partículas até o equilíbrio da força de coesão da água com a força da gravidade.

Dessa forma, a dimensão dos poros é importante para estabelecer o quanto um substrato é capaz de regular o fornecimento de água e ar às plantas (Handreck & Black, 1999). 

Esses poros podem ser classificados como macroporos, mesoporos, microporos e ultramicroporos, segundo conceito que leva em consideração a função, estabelecido por Drzal et al. em 1999. Esses autores sugerem que os macroporos sejam os poros que não retém água sob a força exercida pela gravidade, sendo esse espaço ocupado por ar e denominado de “espaço de aeração”. A força gravitacional depende da altura de substrato (definida pela altura no recipiente). Os mesoporos retêm água a tensões entre a tensão limite para o espaço de aeração (estabelecida como uma coluna de água equivalente à metade da altura de substrato) e 30 kPa (300 hPa). Essa é considerada como a “água facilmente disponível para as plantas. Os microporos retêm água a tensões entre 30 kPa e 1,5 MPa, sendo essa considerada como a reserva de água para as plantas. Os ultramicroporos caracterizam o espaço poroso que retém água a tensão maior que 1,5 MPa, considerada por esses pesquisadores como “água indisponívelpara as plantas.

As tensões limite no substrato críticas à retirada de água pelas plantas não são padronizadas mundialmente . Os conceitos consagrados no Brasil e pelo Grupo de Trabalho da Comissão de Substratos para Plantas da ISHS (International Society for Horticultural Science) são os de De Boodt & Verdonck, publicados em 1972. Esses autores consideram como “espaço de aeração” o espaço relativo de poros que liberam água a tensões até 10 hPa (1kPa), sendo esses espaços considerados macroporos. A “água facilmente disponível” é retida entre tensões de 10 e 50 hPa e a “água tamponante” entre 50 e 100 hPa. De 10 a 100 hPa estaria, portanto, a “água disponível”. Haynes & Goh (1978) consideram água de microporos o volume de água retido a tensão maior que 100 hPa, conceituado também por Grolli (1991) como “água remanescente a 100 hPa”.

Avaliações da tensão da água durante cultivos em recipientes sugerem, no entanto, que esses valores são apenas referenciais. Conforme a espécie, o substrato e a situação de cultivo, os limites até surgirem sintomas de murcha são variáveis. Bellé (1998), estudando efeitos de sistemas de irrigação e de concentrações de adubação complementares na produção de gérbera em vaso de 11 cm de altura (capacidade 800 mL), encontrou tensões máximas entre 400hPa e 562 hPa nas plantas cultivadas com gotejamento sob níveis de adubação de 7 g L-1, sem que as plantas apresentassem sintomas de redução do turgor foliar. Testezlaf et al. (1999), monitorando a umidade em recipientes de 16,5 cm de altura (capacidade 3 L) através de tensiômetros, encontraram valores de tensão entre 63 e 93 hPa para azaléias e 88 e 337 hPa para crisântemos, quando as plantas apresentaram início de sintomas de murchamento, com as variações, dentro da espécie, devidas aos diferentes substratos de cultivo.  

O estabelecimento do limite máximo de tensão no qual a água é considerada “disponível” para as plantas é baseado no percentual de murcha permanente (PMP). O PMP é o conteúdo de água no solo (ou substrato) no qual as plantas permanecem murchas durante a noite (ou em uma câmara úmida), sem retornar ao seu estado de hidratação a menos que sejam regadas (Kramer e Boyer, 1995). Handreck & Black (1999) utilizam a denominação Ponto de Murcha Permanente para definir o mesmo momento de murcha sem retorno. Em 1952, segundo Kramer & Boyer (1995), os pesquisadores Richards e Wadleigh concluíram que em um potencial da água no solo entre -1,5 e ‑2,0 MPa estava o PMP para muitas plantas cultivadas. Por esse motivo, -1,5 MPa foi definido por conveniência como o PMP. Esse potencial não seria, na realidade, uma constante do substrato, pois depende do potencial em que as células das folhas perdem seu turgor. É, portanto, um fator dependente da planta.

A definição de água facilmente disponível (AFD) como a faixa entre a capacidade de campo (e de recipiente) e o PMP, segundo Kramer & Boyer (1995), é também arbitrária para definir com precisão a situação real de disponibilidade hídrica nas plantas. Eles afirmam que do ponto de vista do vegetal, a disponibilidade de água depende da razão com que a água pode ser suprida às raízes em relação à demanda da planta por água. Ambos, suprimento e demanda, são variáveis. A demanda da planta depende primariamente da transpiração, o que varia muito de acordo com o tipo e tamanho da planta e com as condições meteorológicas. O suprimento de água é relacionado com a densidade de raízes (comprimento de raízes por volume de solo) e da eficiência dessas raízes como superfície de absorção, o que depende da condutividade hidráulica das raízes e também da condutividade hidráulica do solo/substrato.

A condutividade hidráulica do substrato varia com as características de partícula, com a sua geometria porosa e com o seu conteúdo de água. À medida que ocorre o secamento do material o seu potencial da água se reduz, aumentando a resistência, pois os poros grandes, onde a força da capilaridade é relativamente menor, são esvaziados primeiro. Outro fator importante é a contração das raízes e do substrato com o secamento, o que tende a reduzir o contato substrato-raiz, aumentando as resistências à absorção. Baixas temperaturas e aeração deficiente também reduzem a permeabilidade das raízes, aumentando a resistência à entrada da água (Kramer & Boyer, 1995).

Raviv e colaboradores (1999), concordando com Kramer & Boyer (1995) sugerem que o volume de água e de nutrientes disponíveis depende mais do real fluxo de umidade no meio do que da quantidade de água no recipiente. Esse fluxo é afetado principalmente pelo valor da condutividade hidráulica naquele momento. O conhecimento da sua variação, juntamente com os valores da curva de retenção e conteúdo de água, é importante para um efetivo manejo da irrigação, que deve prover a quantidade de água para um ótimo aproveitamento pela planta. Baseando-se em experimentos recentes, Raviv e colaboradores (1999) ressaltam que significativas mudanças na real condutividade hidráulica, no fluxo de água e nutrientes são esperadas entre irrigações, mesmo que o conteúdo de umidade seja mantido dentro do que é denominado água facilmente disponível. Em seu trabalho, os resultados sugerem que a condutividade hidráulica do meio não saturado indica com maior precisão a disponibilidade de água às raízes do que a água facilmente disponível, essa última estabelecida a uma predeterminada faixa de sucção sem levar em consideração as características hidráulicas do material.

Apesar desses vários pontos de vista, a determinação da curva de disponibilidade de água de um substrato, segundo Fermino (1996), é importante na medida em que informa o volume de água disponível às plantas dentro de cada faixa de tensão em uma determinada amostra. Maior volume de água disponível a baixas tensões representa menor gasto de energia pela planta para absorvê-la. Plantas submetidas a estresse moderado por falta de água ou salinidade excessiva são estimuladas a acumular e manter níveis elevados de solutos orgânicos no citoplasma, às custas de energia desviada de funções de crescimento. Esse acúmulo de solutos é uma forma de reduzir o potencial osmótico interno das células, e, assim, o potencial da água da planta como um todo, gerando um gradiente favorável à absorção de água. Esse fenômeno é denominado de ajuste osmótico (Taiz & Zeiger, 1991) ou condicionamento osmótico, e reduz a taxa de crescimento da planta.

 

1.1.2. Relação substrato/recipiente e o manejo dos substratos.

Fonteno (2000) aponta quatro fatores que afetam o status da água e do ar em recipientes: 1) o substrato (componentes e quantidades), 2) o recipiente, 3) as práticas de irrigação e 4) os procedimentos de manuseio dos substratos.

Em 1966, White & Mastalerz definiram “capacidade de recipiente”, abordando a importância da altura de substrato em um recipiente na definição do volume de água retido após a irrigação. Segundo eles, mesmo como um furo adequado para saída da água, a força da gravidade na água livre atua apenas até o ponto de equilíbrio estático. A capacidade de recipiente é a percentagem, por volume, retida por um substrato em um recipiente com uma determinada altura, após saturação (tensão hídrica zero) deixando-se drenar na ausência de evapotranspiração, sendo esse o limite máximo de água para aquele substrato e para aquele tipo e profundidade de recipiente.

O conceito de capacidade de recipiente sugere que a composição e  as matérias-primas dos substratos não são responsáveis, isoladamente, por determinar a disponibilidade de ar e água ao sistema radicular durante o cultivo.

A altura do recipiente limita a altura de substrato e, assim, a capacidade de recipiente, determinando o volume de macroporos ou espaço de aeração (Drzal, et al., 1999). Práticas de irrigação utilizadas são da mesma forma essenciais na definição das características de porosidade, assim como a forma como o material é manejado antes da colocação da planta ou da semente (compactação, conteúdo de umidade, técnica de enchimento) (Fonteno, 1996).

Aumentando a densidade no empacotamento de uma mistura em um recipiente, aumenta-se o conteúdo de sólidos por unidade de volume. Em conseqüência, importantes propriedades físicas são modificadas. Considerando um mesmo material, maiores densidades de empacotamento reduzem a porosidade total, com maior influência sobre a redução no espaço de aeração e aumento da capacidade de recipiente (Milks et al., 1989). Para evitar a limitação do crescimento das raízes, a impedância mecânica deve ser considerada no desenvolvimento e no uso dos substratos (Kämpf et al., 1999).

A umidade do substrato antes do enchimento dos recipientes exerce influência na distribuição do tamanho dos poros. Quando água é adicionada a componentes secos, eles hidratam-se, aumentam de tamanho e tendem a formar agregados. Isso se traduz em maior espaço de aeração pela menor acomodação das partículas pequenas entre as grandes, fenômeno conhecido como “aninhamento”. Para misturas destinadas ao uso em plugs, a umidade de 67% é recomendada por Bailey e colaboradores (2000a). Para outros materiais o ponto de umidade ideal pode ser diferente. Também para Milks et al. (1989), a umidade do substrato no momento do preenchimento do recipiente aumenta o espaço de aeração, porém é a pouca a influência desse fator sobre a porosidade total. Resultados semelhantes foram obtidos por Blom & Piott (1992). 

1.2. Características químicas

As propriedades químicas dos substratos referem-se principalmente ao valor de pH, à capacidade de troca de cátions (CTC) e à salinidade. Tendo em vista que a nutrição das plantas é manejada pelo viveirista, utilizando adubações de base e complementares, a investigação do teor em nutrientes nos materiais puros e nas misturas só é realizada em casos especiais, quando houver interesse ou necessidade de quantificar os elementos presentes (Kämpf, 2000a).

1.2.1. Valor de pH

O valor de pH é definido como a atividade do íon hidrogênio, expressa como logaritmo negativo da sua concentração, e determina a acidez relativa de um meio. O pH é de grande importância para o crescimento da planta devido ao seu efeito na disponibilidade de nutrientes, em especial de microelementos (Waller & Wilson, 1984; Bailey et al. 2000b; Handreck & Black, 1999).

A faixa de valor de pH considerada como “ideal” para os cultivos varia de acordo com diversos autores (TABELA 1). Handreck & Black (1999), ressaltam, no entanto, que somente um valor dentro dessa faixa “ideal” não é suficiente, sendo necessário o suprimento equilibrado de micronutrientes, nitrogênio, fósforo, potássio e enxofre em fertilizantes e uma relação Cálcio/Magnésio entre 2 e 10 para um desenvolvimento adequado das plantas. Segundo esses autores, a baixa solubilidade do ferro em um valor de pH maior que 6,5 e a elevada solubilidade do manganês em valor de pH abaixo de 5,5 são os maiores problemas (FIGURA 1).

Fonteno (1996) afirma que, além da possibilidade de ocorrer fitotoxicidade por excesso de manganês solúvel em valores de pH abaixo de 5,4, também aumenta o risco de toxidez do ferro, zinco e cobre, se esses estiverem presentes em quantidades significativas no substrato. No outro lado do espectro, Bailey et al., 2000b, ressaltam que um valor de pH acima de 6,2 pode levar a problemas com deficiência de ferro em hortênsia e amor-perfeito, assim como deficiência de boro em amor-perfeito, alegria-de-jardim e petúnia.

 

TABELA 1    Valores recomendados de pH (em água) de acordo com o cultivo. Faculdade de Agronomia - UFRGS, Porto Alegre (RS), 2001.

 

Presença de solo mineral na mistura

Tipo de Cultivo

Valor de pH

Referência

sem

Cultivos em geral

5,5 e 6,3

Handreck & Black (1999)

Cultivos em geral

5,4 e 6,0

Fonteno (1996)

Cultivos em geral

5,4 a 6,4

Bailey et al. (2000b)

Azaléias e hortênsias

< 5,4

Bailey et al. (2000b)

Lírios

6,5 a 6,8

Fonteno (1996)

Lisianthus

6,4

Handreck & Black (1999)

Gerânios, sálvia e asters

5,8 a 6,3

Handreck & Black (1999)

Samambaias, bromélias, azaléias e coníferas

4,5 a 5,0

Kämpf (2000a)

com

Cultivos em geral

6,2 e 6,8

Fonteno (1996)

Cultivos em geral

6,0 a 6,7

Handreck & Black (1999)

 

Em substratos com solo mineral, valores mais elevados de pH são recomendados (TABELA 1). Bunt (1988) mostra a redução da disponibilidade de fósforo na presença de solo mineral no substrato. A acidez tem grande influência na disponibilidade desse nutriente às plantas; o fósforo combina-se com ferro e alumínio na forma de compostos insolúveis em pH abaixo de 7, com redução na quantidade desse nutriente na solução à medida que o pH se torna mais baixo.

FIGURA 1 –        Variação da disponibilidade de nutrientes para as plantas em solo (A) e em substratos orgânicos (B) segundo Handreck & Black (1999).

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

A

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

B

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Diferentes valores de pH podem afetar atividades fisiológicas, como a germinação e o enraizamento. Puchalski (1999), avaliando o efeito do pH da água de irrigação sobre o enraizamento de Hibiscus rosa-sinensis em espuma fenólica, observou maior comprimento de raízes em valor de pH igual a 9,0 em relação a pH 6,0.

Para a avaliação desse parâmetro, podem ser utilizados como extratores a água deionizada (mais comum) ou soluções de KCl e CaCl2 (Kämpf, 2000a). Para um mesmo material analisado, valores de pH em KCl diferem geralmente em uma unidade a menos do que quando em água (Fermino, 2000).

 

1.2.2. Capacidade de Troca de Cátions (CTC).

Um importante mecanismo que auxilia na regulação do fornecimento dos nutrientes de carga positiva para a planta é a capacidade de troca de cátions ou CTC (Bunt, 1988). A CTC é a quantidade de cargas eletrostáticas de superfície negativamente carregadas de um substrato por unidade de peso ou volume. Essas cargas são balanceadas por cátions (nutrientes de carga positiva) que ficam retidos em forma trocável nessas superfícies, em equilíbrio dinâmico com a solução (Handreck & Black, 1999; Fonteno, 1996; Rowel, 1994).

A CTC está relacionada diretamente com a capacidade de tamponamento do substrato às variações bruscas no valor de pH e na disponibilidade de nutrientes, sendo importante na redução das perdas de cátions por lixiviação (Fermino, 1996). Segundo Fonteno (1996), a CTC deve ser entre 6 e 15 meq 100 mL-1, para uma ampla reserva de nutrientes. Handreck & Black (1999), sugerem uma CTC entre 5 e 10 meq 100mL-1 . Essas recomendações são referências, devendo-se considerar que a necessidade de maior CTC no substrato está diretamente relacionada com a menor tecnologia de controle das condições nutricionais e de irrigação do cultivo por parte do produtor.

Como unidade de medida desse parâmetro, é também utilizado centimol de carga (cmolc) por massa ou volume. Ele equivale a miliequivalente de cátions por massa ou volume. Tendo em vista a grande variação na densidade dos substratos, a CTC deve ser expressa por volume, levando-se em conta o valor da densidade seca da amostra analisada (Kämpf, 2000a).

 

1.2.3. Salinidade

Especialmente na utilização de materiais alternativos, em misturas não-industrializadas, é importante conhecer o nível de salinidade do substrato, a fim de evitar perdas na produção (Kämpf, 2000a).

A condutividade elétrica (CE) é um indicativo da concentração de sais ionizados na solução (Wilson, 1984) e fornece um parâmetro para a estimativa da salinidade do substrato. As plantas variam em sua tolerância a níveis de salinidade e estresse hídrico. Não eletrólitos, como a uréia, que também contribuem para o estresse osmótico, não são, no entanto, mensurados na CE imediatamente após sua aplicação (Waller & Wilson, 1984), mas somente após  sua hidrolização.

A salinidade pode ser derivada da adubação de base ou do conteúdo natural de sais dos componentes utilizados na mistura (Kämpf, 2000b). Corretivos de acidez também elevam o nível de salinidade (Handreck & Black,1999).

A partir da densidade do material (no estado de umidade em que é recebido para análise), do valor da CE e da temperatura do extrato, é possível avaliar a concentração salina com base em uma solução de referência de KCl (Fermino, 1996). Essa avaliação é feita em extrato 1:10 (peso:volume), conforme metodologia descrita em Grolli (1991).

Röber & Schaller (1985) apud Kämpf (2000), elaboraram uma tabela de recomendação para substratos conforme três reações das culturas à concentração salina (TABELA 2).  

TABELA 2 -         Classificação da sensibilidade das culturas a níveis de concentração salina no substrato (Röber & Schaller apud Kämpf, 2000a).

Reação da Cultura

Níveis de salinidade

Salinidade *

Exemplos de culturas

Grupo 1: sensíveis

Baixo

0,5 a 1,0

Avenca, boca-de-leão, camélia, algumas bromélias e orquídeas

Grupo 2: tolerantes

Médio

1 a 2

Alamanda, begônia, gérbera, gladíolo, rosa, hibisco, zínia, copo-de-leite

Grupo 3: exigentes  (em quantidade)

Alto

2 a 3

Hortênsia, crisântemo,

gerânio

  * expressa em g KCl L-1 de substrato

 

Cavins et al. (2000) fornecem uma tabela para a interpretação de valores de CE (em mS/cm) para vários métodos de extração (TABELA 3) utilizados por produtores e laboratórios nos Estados Unidos da América, de acordo com o tipo de cultivo.

Os sais dissolvidos tornam o potencial osmótico (Yo) da solução do substrato mais negativo. A planta deve superar esse potencial para absorver água (Handreck & Black,1999).

Rowel (1994) propõe a seguinte equação, utilizando a condutividade elétrica (CE) avaliada em extrato de pasta saturada :

Yo (MPa) = -0,04 X CE (dS m-1).

Cavins et al. (2000), sugerem que um substrato com CE (25oC) entre 2,0 e 3,5 dS m-1, em extrato saturado, apresenta salinidade adequada ao desenvolvimento da maioria dos cultivos (TABELA 3). Aplicando-se a equação de Rowel (1994) para extremo inferior dessa faixa de CE tem-se:

Yo = -0,04. 2 dS m-1 = -0,08 MPa ou 800 hPa.

Através da análise acima, pode-se concluir que o potencial osmótico, nos níveis de salinidade recomendados por Cavins et al. (2000), exerce uma influência superior a oito vezes a tensão considerada limite da “água disponível“ pelos critérios de De Boot & Verdonck (1972).

Isso sugere que a redução no conteúdo relativo de água no substrato, concentrando a solução em contato com as raízes, tem grande efeito no estresse hídrico, demonstrando a necessidade de se conduzir o cultivo em condições próximas à capacidade de recipiente.

 

TABELA 3 - Interpretação de valores de condutividade elétrica (em dS m-1 a 25oC) para vários métodos de extração (Cavins et al., 2000).       

Método de Extração

Indicação

1:5

1:2

Extrato de Pasta Saturada

Lixiviado *

(Pour Through)

0 a 0,11

0 a 0,25

0 a 0,75

0 a 1,0

Muito Baixo. O nível de nutrientes pode não ser suficiente para sustentar um rápido crescimento

 

0,12 a 0,35

 

0,26 a 0,75

0,76 a 2,0

1,0 a 2,6

Baixo. Adequado para seedlings, forrações anuais e plantas sensíveis a salinidade

 

0,36 a 0,65

 

0,76 a 1,25

2,0 a 3,5

2,6 a 4,6

Normal. Faixa padrão para a maioria das plantas em crescimento. Limite superior para as sensíveis à salinidade

 

0,66 a 0,89

 

1,26 a 1,75

3,5 a 5,0

4,6 a 6,5

Alto. Vigor reduzido e crescimento podem ocorrer, especialmente durante épocas quentes.

 

0,9 a 1,10

 

1,76 a 2,25

5,0 a 6,0

6,6 a 7,8

Muito Alto. Pode resultar em danos devido à dificuldade na absorção de água, assim como crescimento reduzido. Sintomas incluem queima das bordas das folhas e murcha.

 

> 1,10

 

>2,25

>6,0

> 7,8

Extremo. A maioria dos cultivos sofrerá injúrias a esses níveis. Lixiviação imediata necessária.

 

* devido a variabilidade desse método, os produtores devem sempre comparar seus resultados com o extrato saturado para estabelecer faixas aceitáveis

 

1.3. Características Biológicas

Alguns componentes da matéria orgânica, classificados sob o termo fitotoxinas, causam injúrias e eventualmente matam plantas quando presentes em substratos. Muitas cascas e serragens utilizadas contêm fitotoxinas, com variações de acordo com a espécie (Handreck & Black, 1999).

Booman (2000), produtor norte-americano, alerta sobre teores de tanino tóxico na casca de sequóia e de outras madeiras de lei. Trabalhos como o de Yates & Rogers (1981) e Ortega et al. (1996) demonstram a influência negativa de compostos fenólicos presentes em cascas de árvores na germinação e no desenvolvimento vegetal.

Casca de coníferas e serragens de madeira podem, no entanto, ter o nível de fitotoxinas reduzido através da compostagem, o que contribui igualmente para redução da relação C:N. (Handreck & Black, 1999). É importante, no entanto, que esse processo seja conduzido de forma aeróbia, a fim de evitar a formação de outros compostos prejudiciais ao desenvolvimento vegetal como ácido acético, e compostos fenólicos e alcalóides (Bilderback, 2000).

O tratamento com algumas substâncias pode minimizar o efeito de fitotoxinas. A utilização de sulfato de ferro para a complexação de taninos em serragem é uma prática utilizada por produtores da Califórnia (Booman, 2000). A adição de Polyvinylpyrrolidona (PVP) teve efeito na inativação de fitotoxinas fenólicas em extratos de casca de coníferas (Yates & Rogers, 1981).

Características biológicas favoráveis também podem estar presentes nas matérias-primas e nos substratos orgânicos. Alguns compostos e microorganismos antagônicos podem auxiliar na supressão de patógenos e a inoculação de micorrizas já é uma prática comercial (Koide et al, 1999).

Solos minerais, no entanto, são potenciais inoculadores de patógenos nos cultivos quando utilizados nas misturas (Handreck & Black, 1999).

 

2. Referências Bibliográficas

 

BACKES, M. A Composto de lixo urbano como substrato para plantas ornamentais. 1990. 78 f. Dissertação (Mestrado em Agronomia) – Programa de Pós-Graduação em Agronomia, Faculdade de Agronomia, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 1990.

BAILEY, D. A.; FONTENO W.C; NELSON, P. V. Greenhouse substrates and fertilization. Raleigh: North Carolina State University, 2000a. Disponível em: <http://www.ces.ncsu.edu/depts/hort/floriculture/plugs/ghsubfert.pdf>. Acesso em: 15 ago. 2000.

BAILEY, D. A.; NELSON, P. V.; FONTENO W.C.  Substrates pH and water quality. Raleigh: North Carolina State University, 2000b. Disponível em: <http://www.ces.ncsu.edu/depts/hort/floriculture/plugs/ph.pdf>. Acesso em: 15 ago. 2000.

BELLÉ, S. Efeito de sistemas de irrigação e de concentrações de adubação complementar na produção de gérbera em vaso. 1998. 115 f. Tese (Doutorado em Fitotecnia) – Programa de Pós-Graduação em Agronomia, Faculdade de Agronomia. Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 1998.

BIERNBAUM, J.; ARGO, W.R.; YELANICH M.V. Water and nutrient management in peat-based media – a program review and perspective. Acta Horticulturae, Wageningen, n. 481, v. 1, p. 103-110, 1999.

BILDERBACK, T. Pine bark storage and handling. Raleigh: North Carolina State University, 2000. Disponível  em: <http: //www.ces.ncsu.edu / depts / hort/nursery/substrates/storage_hand.htm.>. Acesso em: 15 ago. 2000.

BLOM, T.J.;PIOTT, B.D. Preplant moisture content and compaction of peatwool using two irrigation techniques on potted chrysanthemums. Journal of the American Society for Horticultural Science. Alexandria, n.117, v.2, p. 220-223, 1992.

BOOMAN, J. Evolution of California substrates used in ornamental horticulture.In: KÄMPF, A.N.; FERMINO, M.H. (ed.). Substratos para plantas: a base da produção vegetal em recipientes. Porto Alegre: Genesis, 2000. p. 23-42.

BUNT, A. C. Media and mixes for container-grown plants. London:Unwin and Hyman, 1988. Cap. 4: Principles of nutrition.

BURGER, D. W.; HARTZ, T. K.; FORISTER, G. W. Composted green waste as a container medium amendment for the production of ornamental plants. HortScience, Alexandria,  v. 32, n. 1, p. 57-60, 1997.

CARLILE, W.R. The effects of the environment lobby on the selection and use of growing media. Acta Horticulturae, Wageningen, n. 481, v.2, p. 587-596, 1999.

CAVINS, T.J.; WHIPKER B. E.; FONTENO, W.C.; HARDEN, B.; McCALL, I.; GIBSON, J. L. Monitoring and managing pH and EC using the PourThru Extraction Method. Horticulture Information Leaflet / NCSU, Raleigh, n.590, 2000. Disponível em: <http://www2.ncsu.edu/unity/lockers/project/hortsublab/>. Acesso em: 20 set. 2000.

De BOODT, M; VERDONCK, O. The physical properties of the substrates in horticulture. Acta Horticulturae, Wageningen, v. 26, p.37-44, 1972.

DRZAL, M.S.; CASSEL, D.K.; FONTENO, W.C. Pore fraction analysis: a new tool for substrate testing. Acta Horticulturae, Wageningen, n. 481, v. 1, p. 43-53,1999.

FERMINO, M.H. Aproveitamento de Resíduos Industriais e Agrícolas como Alternativas de Substratos Hortícolas. 1996. 90 f. Dissertação (Mestrado em Fitotecnia) – Programa de Pós-Graduação em Agronomia. Faculdade de Agronomia, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 1996.

FERMINO, M.H.; TRENTIN, A.L.; KÄMPF, A.N. Caracterização física e química de materiais alternativos para composição de substratos para plantas: 1.Resíduos industriais e agrícolas.In: KÄMPF, A.N.; FERMINO, M.H. (ed.). Substratos para plantas: a base da produção vegetal em recipientes. Porto Alegre: Genesis, 2000. p. 241-248.

FONTENO, W.C.; CASSEL, D.K; LARSON, R.A. Physical properties of three container media and their effect on poinsettia growth. Journal of the American Society for Horticultural Science, Alexandria, v.106, n. 6, p. 736-741, 1981.

FONTENO. W.C. Growing media: types and physical/chemical properties.    In: REED, D.W. (ed.) A Growers Guide to Water, Media, and Nutrition for Greenhouse Crops.  Batavia: Ball, 1996. p.93-122.

GAULAND, D.C.S.P. Relações hídricas em substratos à base de turfas sob uso dos condicionadores casca de arroz carbonizada ou queimada. 1997. 107 f. Dissertação (Mestrado em Ciência do Solo) - Programa de Pós-Graduação em Agronomia, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 1997.

GROLLI, P. R. Composto de lixo domiciliar urbano como condicionador de substratos para plantas arbóreas. 1991. 126 f. Dissertação (Mestrado em Fitotecnia) – Programa de Pós-Graduação em Agronomia, Faculdade de Agronomia, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 1991.

HANDRECK, K.; BLACK, N. Growing media for ornamental plants and turf. Sydney: University of New South Wales Press, 1999. 448 p.

HANNAN, J. J.; OLYMPIOS, C; PITTAS, C. Bulk density, porosity, percolation and salinity control in shallow, freely draining, potting soils. Journal of the American Society of Horticultural Science, Alexandria, n. 106 v.6, p.772-746, 1981.

KÄMPF, A. N.; HAMMER, P. A.; KIRK, T. Effect of packing density on the mechanical impedance of root media. Acta Horticulturae, Wageningen, n.481, v.2, p.689-694, 1999.

KÄMPF, A. N. Substrato. In: KÄMPF, A. N. (Coord.) Produção comercial de plantas ornamentais. Guaíba: Agropecuária, 2000a. 254p.

KÄMPF, A.N. Seleção de materiais para uso como substrato. In: KÄMPF, A.N.; FERMINO, M.H. (ed.). Substratos para plantas: a base da produção vegetal em recipientes. Porto Alegre: Genesis, 2000b. p 209-215.

KOIDE, R. T. ; LANDHERR, L. L. ; BESMER, Y.L.; DETWEILER, J. M.; HOLCOMB, E. J. Strategies for mycorrhizal inoculation of six annual bedding plant species. HortScience, Alexandria, v.34, n.7, p.1217-1220, 1999.

KRAMER, P.J.; BOYER, J.S. Water Relations of Plants and Soils. San Diego: Academic Press, 1995.

LARCHER, W. Physiological plant ecology: ecophysiology and stress physiology of functional groups. Berlin: Springer, 1995. Cap. 5: Environmental influences on growth and development – germination and establishment: to be or not to be. p. 290-293.

MILKS, RR.; FONTENO, RA; LARSON, RA. Hidrology of horticultural substrates: III. Predicting air and water content of limited-volume plug cells. Journal of the American Society for Horticultural Science. Alexandria, v.144, n.1. p.57-61,1989.

NOBEL, P. S. Physicochemical and environmental plant physiology. San Diego: Academic Press, 1991. 635 p.

ORTEGA, M.C.; MORENO, M.T.; ORDOVÁS, J.; AGUADO, M.T. Behavior of different horticultural species in phytotoxicity bioassays of bark substrates. Scientia Horticulturae, Doetinchen, v. 66, p. 125-132, 1996.

PENNINGSFELD, F. Kultursubstrate für den gartenbau besonders in Deutschland: ein kritischer überblick. Plant and Soil, The Hague, v.75, p.269-281, 1983.

PUCHALSKI, L. E. Sistema de produção de mudas em plugs: propagação vegetativa de hibisco, Hibiscus rosa-sinensis L. 1999. 61 f. Dissertação (Mestrado em Fitotecnia) - Programa de Pós-Graduação em Fitotecnia. Faculdade de Agronomia, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 1999.

PUCHALSKI. L.E.A.; KÄMPF, A.N. Efeito da altura do recipiente sobre a produção de mudas de Hibiscus rosa-sinensis L. em plugs. In: KÄMPF, A.N.; FERMINO, M.H. (ed.). Substratos para plantas: a base da produção vegetal em recipientes. Porto Alegre: Genesis, 2000. p 209-215.

RAVIV, M; WALLACH, R.; SILBER, A.; MEDINA, Sh.; KRASNOVSKY, A. The effect of hydraulic characteristics of volcanic materials on yield of roses grown in soilless culture. Journal of the American Society for Horticultural Science, Alexandria, n. 124, v.2, p.205-209, 1999.

RÖBER, R. Substratos hortícolas: possibilidades e limites de sua composição e uso; exemplos da pesquisa, da indústria e do consumo. In: KÄMPF, A.N.; FERMINO, M.H. (ed.). Substratos para plantas: a base da produção vegetal em recipientes. Porto Alegre: Genesis, 2000. p 209-215.

RÖBER, R., SCHALLER, K. Pflanzenernährung im gartenbau. Stuttgart: Ülmer, 1985.

ROWEL, D.L. Soil science: methods & applications. Essex:Longman, 1994. 350 p.

SCHIE, W. van. Standardization of substrates. Acta Horticulturae, Wageningen, n.481, v.1, p.71-77, 1999.

TAIZ, L.; ZEIGER, E. Plant physiology. Redwood City: Benjamin & Cummings, 1991. Cap 13: Surface protection and secondary defence componds: phenolics componds.

TESTEZLAF, R.; LARSEN, C.; YEAGER, T.H.; ZAZUETA, F.S. Tensiometric monitoring of container substrate moisture status. HortTecnology, Alexandria, v. 9, n. 1 p. 105-109, 1999. Disponível  em: <http:// www.ashs.org/ request.asp? JournalID=2&ArticleID=41&Type=2>. Acesso em: 19 ago. 2000.

VERDONCK, O. F. Reviewing and evaluation of new materials used as substrates.  Acta Horticulturae, Wageningen, n.150, p.155-160, 1984.

WALLER, P. L.; WILSON, G.C.S. Evaluation of growing media for consumer use. Acta Horticulturae, Wageningen, n. 150, p. 51-58, 1984.

WHITE, J.W.; MASTALERZ, J.W. Soil moisture as related to “Container Capacity”. Proceedings of the American Society for Horticultural Science, Beltsville, v.89, n.1, p.758-765, 1966.

WILSON, G.C.S. Analitical analyses and physical properties of horticultural substrates. Acta Horticulturae, Wageningen, n. 150, p. 19-32, 1984.

YATES L. ROGERS, M.N. Effects of time, temperature, and nitrogen source on the composting of hardwood bark for use as a plant growing medium. Journal of the American Society for Horticultural Science, Alexandria, v. 106, p. 589-593, 1981.

Este texto faz parte da revisão bibliográfica do trabalho: 

GRUSZYNSKI, C. Resíduo agro-industrial "Casca de Tungue"como componente de substrato para plantas. 2002. 99 f. Dissertação (Mestrado em Fitotecnia) - Faculdade de Agronomia, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2002.  

 

Qualquer comentário ou problema com essa página mande um e-mail para cirilo@cultivodeflores.com.br  

 Página criada em março de 2002 - Última atualização em quarta-feira, março 13, 2002 .